Domingo, 23 de Abril de 2006

Biografia

PAULO CONDE

Paulo Conde, natural de Lisboa, inicia colaboração escrita, através de artigos de opinião, com prestigiados órgãos de comunicação social.
Em 1997 é fundador e redactor da publicação periódica regional "A Voz do Guia".
Em 1998 integra a colectânea de poesia popular do concelho de Benavente "Poetas nossos", com alguns poemas da sua já vasta obra.
Em 1999 inicia trabalho de investigação ao espólio do poeta Carlos Conde e a toda a componente do fado (investigação que mantém actualmente) e colabora na elaboração do livro "Memórias de um tempo de rádio", a publicar brevemente.
Em 2000 recebe menção honrosa da Câmara Municipal de Alenquer, por ocasião dos I Jogos Florais deste município.
Em 2001 edita a obra biográfica "Fado, vida e obra do poeta Carlos Conde", coordenando toda a sua divulgação, realizando diversas iniciativas no âmbito do primeiro centenário do nascimento do poeta.

A descoberta da grande qualidade da poesia de Carlos Conde levou um bisneto a fazer uma viagem no tempo e a procurar estabelecer o seu percurso fadista em livro.
Paulo Conde, bisneto do poeta, apercebeu-se que aquele espólio poético não devia ficar apenas na esfera familiar e lançou-se numa investigação sobre uma das figuras tutelares do meio fadista de 1920 a 1970, com vista à concretização de um livro que traçasse o perfil do autor de inúmeros êxitos, como "Não passes com ela à minha rua".

A poesia de Carlos Conde continua a ser cantada mas nem sempre identificada e essa foi outra das preocupações do autor do livro.
"Passei hoje em Alcobaça", "Drama de uma velhinha", "Saudades da nossa casa", "A mulher que já foi tua", "Feira da ladra", "Zé Canas" ou "Recordar é viver" são alguns dos populares êxitos do poeta.

A investigação realizada por Paulo Conde permitiu-lhe, por outro lado, verificar que a despeito do fado ser a canção nacional há uma grande lacuna bibliográfica.
A biografia que escrevi preenche um pequeno ponto, mas permitirá talvez incentivar a realização de outros trabalhos, diz. Paulo Conde, natural de Lisboa, inicia colaboração escrita, através de artigos de opinião, com prestigiados órgãos de comunicação social. Em 1997 é fundador e redactor da publicação periódica regional "A Voz do Guia". Em 1998 integra a colectânea de poesia popular do concelho de Benavente "Poetas nossos", com alguns poemas da sua já vasta obra. Em 1999 inicia trabalho de investigação ao espólio do poeta Carlos Conde e a toda a componente do fado (investigação que mantém actualmente) e colabora na elaboração do livro "Memórias de um tempo de rádio", a publicar brevemente.

 

publicado por pauloconde às 21:57

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Eduardo Ramos de Morais a 26 de Maio de 2007 às 19:37
Nos tempos antigos os fadistas de verdade citavam, antes ou depois de cantar, os autores dos fados, assim me habituei a ouvir desde menino.
Era gente com outra educação e outra maneira de estar.
Resta-me dizer-lhe o que penso através duma quadra da minha modesta autoria:

Devia, quem canta um fado
Citar sempre quem escreveu,
Porque quem é educado...
Agradece a quem lhe deu.

Eduardo Morais Ramos
De Rita a 24 de Maio de 2009 às 22:13
Olá
Tive a reparar na sua biografia e, finalmente, encontrei um fado que há muito andava à procura, Zé Canas. Seria possível colocar a letra deste poema no seu blog? Muito obrigada

Rita C.
De pauloconde a 27 de Maio de 2009 às 14:54
Boa tarde Rita C. e obrigado pelo seu interesse no blog. Prometo que em breve estará disponivel a letra que solicitou. Sugiro-lhe que visite também o blog oficial do poeta Carlos Conde, www.carlosconde.blogs.sapo.pt

Obrigado

Paulo Conde
De Anónimo a 15 de Janeiro de 2010 às 16:03
Boa tarde

Sou funcionária da C.M. Murtosa e gostaria de entrar em contacto com o senhor relativamente a uma actividade cultural.
eliana.barroqueiro@cm-murtosa.pt

Comentar post

.Paulo Conde

.pesquisar

 

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quero morrer nos teus bra...

. O Chico do povo

. Menina dos olhos tristes

. Eterno Amor

. Quadra Solta

. O mar

. Esperança perdida

. A bruxa de Palhavã

. O casino da Mariquinhas

. O portão do fado ou O por...

. O povo tem esperança e fé

. Tributo a Carlos Ramos

. Quero tudo o que é teu

. Na vida é tudo aparente

. Fado Goya

. O cais da solidão

. Um homem que não conheço

. Loucura

. Lisboa, sei quem és!

. Alfama fadista

. Daniel Correia - Militant...

. É Natal

. Canibais do Tempo

. Ode à solidão

. O Casino da Mariquinhas

. Livro de poesia

. Nota solta...

. O cálice da vida

. O segredo do teu olhar

. A minha lágrima

. A saudade e o desgosto

. Prisioneiro

. Á luz da vela

. Os "arranjadores" de Fado

. Casa da Azenha

. Eduardo Ramos de Morais

. Á esquina do Corpo Santo

. Apontamentos de fado

. O "Numero Um"

. Morte é lei

. Biografia

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Junho 2014

. Março 2014

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Maio 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Visitas

Publipt! Clique Aqui!
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa